domingo, 14 de abril de 2013

14º dia - Berlim


O dia começou com emoção. Assim que fechei a porta do quarto pra sair, começou a tocar um alarme. MUUITO alto!! Desci pelas escadas normalmente e segui calmamente até a entrada do prédio. Não vi ninguém correndo ou qualquer sinal de evacuação. Só o alarme (que se repetia em vários pontos por onde passei, pois o prédio é enooooorme), que parecia ser ignorado por todos. Quando eu estava saindo, vi uma viatura da polícia com sirene ligada parar na porta. Um policial desceu e o outro seguiu com o carro. Voltei pra tentar descobrir algo, e a toda hora chegava um policial ou bombeiro. Resolvi ir passear e quando saí havia 3 caminhões dos bombeiros e 2 viaturas da polícia na porta do hostel. Isso em questão de 5 minutos. No caminho vi outros passando pra mesma direção. No final do dia fui perguntar o que houve e me explicaram que entrou água em um sensor, que disparou o alarme e atraiu tanta gente pra lá.

Fui andando até a East Side Gallery, que é um trecho do Muro de Berlim pintado por artistas do mundo todo. Tem vários trabalhos interessantes, mas o que mais me chamou a atenção foi uma bandeira da Alemanha com a estrela de David no centro. Só que a parte interessante são as inscrições "Free Palestine" por cima dessa obra. Com todo respeito às vítimas do Holocausto, os judeus adoram fazer o papel de vítimas da humanidade, enquanto repetem as atrocidades que sofreram sem que ninguém os critique.

"Free Palestine"




Olha o Brasil "representado" aí: "Caruaru" e "Noix que voa, bruxão!"


De lá segui para o Topographie des Terrors (Topografia do Terror), um memorial localizado onde ficavam as sedes da Gestapo e da SS, e era basicamente o coração do regime nazista. O material é imenso, sendo possível passar horas lendo os painéis, vendo fotos, vídeos e documentos. Muito interessante observar como um regime tão absurdo foi surgindo praticamente sem reação.

Os judeus sofreram com os nazistas, mas não foram os únicos



Segui andando até o Checkpoint Charlie só mesmo pra fazer a foto clássica na frente da cabine. O interessante é que tem dois palhaços vestidos de soldados que cobram por foto. Quando alguém não paga eles se cobrem com as bandeiras. Fiquei triste por isso e até pensei em dar um dinheiro a eles, só que não. :D

Dali andei até o Memorial do Holocausto, passando antes pelo Portão de Brandemburgo novamente.




Mais tarde fui novamente ao Fleischerei Domke (o mesmo do Gulasch do dia anterior - veja um texto sobre o local aqui), só que dessa vez resolvi experimentar o Schnitzel. Foi bom, mas me arrependi de não ter repetido o do dia anterior, que estava supimpa!

Um comentário:

Wesley Teixeira disse...

Boa!!! Free Palestine!